Fabi Gomes fala de sua trajetória de sucesso como maquiadora

A top maquiadora é autora da beleza de desfiles em semanas de moda no mundo todo

Texto: Camila Suares | Edição Dezembro 2016

Fabi Gomes | <i>Crédito: Divulgação
Fabi Gomes | Crédito: Divulgação
Como começou a sua história com a maquiagem? 
Foi em Curitiba. Eu era do teatro e tinha que fazer minha própria maquiagem. Às vezes também maquiava meus colegas de elenco. 

Quando se mudou para São Paulo já começou a trabalhar na área de beleza? 
Não. Tentei o teatro, depois me formei em direito, mas cansei de tudo. Queria trabalhar em varejo. Então mandei currículo para a MAC. Eles estavam vindo para o Brasil e fui selecionada para trabalhar na primeira loja da marca. Mas tudo isso foi acontecendo naturalmente, nada foi planejado. Trabalho há 14 anos com maquiagem – eu me encontrei! 

Como sua carreira evoluiu ao longo desses anos? 
Comecei como artista da MAC, vendedora de loja mesmo. Em 2003, fazia eventos como SPFW e Carnaval. Então algumas oportunidades apareceram. Um pouco depois fiz um trabalho no teatro, com ópera. Assim fui construindo minha relação com a maquiagem e a estética. 

Quando foi convidada para fazer uma semana de moda? 
O primeiro desfile que assinei foi na FAAP Moda. No São Paulo Fashion Week, fiz Gloria Coelho, entre 2010 e 2011. Daí não parei mais de fazer semanas de moda. Na edição N42 do SPFW, foram sete desfiles. 

E no exterior? Qual foi a primeira? 
Foi em Milão, em 2010. Me tornei sênior artist da MAC em 2009 – fiquei mais conhecida no mercado mundial. Assinar desfile é muita responsabilidade. 

Qual foi o desfile mais marcante até hoje? 
Os desfiles da estilista Vivienne Westwood são sempre legais, porque são mais livres. Geralmente quem assina é a maquiadora Val Garland, que escolhe alguns nomes para tomar frente e criar os looks. Já fui muito elogiada por ela. Outro backstage marcante foi do estilista Vitorino Campos, na estreia dele em São Paulo. Tivemos que mudar tudo na hora do desfile! 

É possível se inspirar na beleza da passarela para criar o make cotidiano? 
Nada do que se vê na passarela é para ser levado ao pé da letra no dia a dia. Aquilo é um show! Como o objetivo é chamar a atenção, claro que tem um pouco de exagero. Minha dica é entender o que te agrada e o que é adaptável ao seu estilo. 

Moda e beleza andam lado a lado? 
Juntas, de mãos dadas, totalmente. 

A maquiagem é um acessório? 
A beleza é uma composição do todo: cabelo, maquiagem, roupa e acessórios. Às vezes o brinco “briga” com o olho e o batom interfere no colar... 

O que não pode faltar no seu nécessaire? 
É sempre bom ter um item para a pele, um que dê uma levantada na maquiagem, como máscara de cílios ou iluminador, e um produto para retoque, já que o clima no Brasil é quente e a pele brilha rápido. 

Qual é o pior erro de maquiagem? 
É tentar ser quem você não é, esconder suas características. Exagero é a pior coisa no make. 

Você tem um canal no YouTube... 
Meu Glitter, Minha Vida é um projeto em parceria com a maquiadora Vanessa Rozan, que já tem experiência na TV por causa do programa Esquadrão da Moda, do SBT. Eu amo! Junta tudo que eu gosto: maquiar, falar, fazer graça e poder ser quem eu sou. 

Você já alcançou todos os seus objetivos? 
Não sou muito ambiciosa. Gosto que as coisas aconteçam naturalmente. A maquiagem me emociona. Certa vez maquiei uma mulher HIV positivo, em estado terminal, que estava com um bebê no colo. Ela não queria falar, estava com a cara fechada. No final do make, consegui fazê-la sorrir. Me arrepiei da cabeça aos pés com aquele sorriso. 

O que a maquiagem significa na sua vida? 
Não é só o meu ganha-pão. É minha diversão e, às vezes, meu calvário. Eu nunca vivo na zona de conforto. A maquiagem me mantém na ativa – todo dia é uma surpresa. Isso me faz crescer.

09/01/2017 - 09:20

Conecte-se

Revista Manequim