Projeto verão: saiba como agem dois tratamentos para redução de celulite

Já ouviu falar sobre radiofrequência e criolipólise? Os dois tratamentos são indicados para a redução de gordura localizada, mas também combatem a celulite. Confira!

Texto: Luciana Maluf, dermatologista

Saiba como funcionam a criolipólise e radiofrequência | <i>Crédito: Shutterstock
Saiba como funcionam a criolipólise e radiofrequência | Crédito: Shutterstock

Radiofrequência e criolipólise são os procedimentos da moda quando o assunto é redução de celulite e eliminação da gordurinha localizada em regiões como abdômen, flancos e culotes. Ambas são seguras se aplicadas por um profissional altamente qualificado e cuidadoso, o que é fundamental para qualquer tratamento estético, mas ainda mais delicado quando falamos em manusear aparelhos de alta tecnologia.

Na radiofrequência são emitidas correntes de alta frequência que agem através da geração de calor no tecido embaixo da pele, o que induz a produção de novas fibras de colágeno e melhora o aspecto da pele. Como o calor profundo atua na célula de gordura aumentando a oferta e a difusão de nutrientes e diminuindo o estoque de energia, ele contribui para a redução de seu volume. Com a melhora da gordura localizada acontecerá a melhora do aspecto da celulite. O resultado já pode ser percebido em cerca de um mês.

Já no processo da criolipólise, um aparelho congela a camada de gordura sob a pele e pode eliminar em média 20-30% de gordura por sessão, mas a melhora geral só aparece após dois a três meses. Durante o procedimento o tecido gorduroso atingirá 10 graus centígrados negativos, produzindo danos irreversíveis às células gordurosas, despejando-as pelo corpo no compartimento entre as células, preenchido de líquidos e outras substâncias.  Fisiologicamente esse processo de eliminação é lento e o organismo precisa de tempo para que o sistema linfático transporte a gordura a ser queimada, por isso os resultados costumam aparecer a partir de três semanas. O pós-procedimento é considerado leve, mas a pele pode ficar dolorida, fria ou endurecida ao toque, sensação que tende a desaparecer conforme ela se recupera.

Em ambos os casos o paciente pode retornar às suas atividades normais no mesmo dia. Outros procedimentos, como a drenagem linfática, contribuem para a redução de toxinas nos tecidos e podem ser combinados para otimizar a redução de medidas. A manutenção é essencial para manter um bom resultado em longo prazo, além de uma dieta adequada e exercícios físicos regulares.

15/09/2016 - 14:00

Conecte-se

Revista Manequim