Eliana: musa pop

Em 27 anos de carreira, Eliana passou de estrela infantil a uma das apresentadoras mais bem-sucedidas do país. Neste ensaio, ela desfila peças em total sintonia com seu estilo nos palcos e na vida pessoal

Texto: Marcela Rodrigues | Edição Janeiro 2017

Inspire-se no estilo de Eliana | <i>Crédito: Gustavo Arrais
Inspire-se no estilo de Eliana | Crédito: Gustavo Arrais
Eliana é dona de um dos figurinos mais comentados entre as telespectadoras brasileiras. Escolhas alinhadas com a moda? Peças-desejo? “Me produzo como eu gostaria de me vestir lá fora, nos meus compromissos pessoais. Priorizo peças femininas e marcas brasileiras. Acho que isso torna a minha roupa acessível a qualquer mulher, seja comprando um item igual em um shopping ou mandando fazer na costureira”, justifica a loira. Quando começou, nos anos 1990, ela já mirava na carreira artística, mas mal poderia imaginar que seria um exemplo de solidez no mercado nacional e que teria transições tão bem-sucedidas. Afinal, passar 27 anos ininterruptos no ar é uma conquista de poucas. Foi Silvio Santos quem enxergou o potencial da moça e a convidou para virar apresentadora das atrações infantis da casa, até chegar aquela que a consagrou, o Bom Dia & Cia – que mais tarde, no auge, passou a ser Eliana & Cia. Hoje, aos 42 anos, Eliana está à frente do dominical que leva seu nome, no SBT, para onde voltou em 2009 após alguns anos na Record. Segundo ela, humildade e coerência são a fórmula do sucesso. “Nunca usei estratégias de marketing para me aproximar do público. Foi algo intuitivo. Quando eu deixei a programação infantil, não esqueci as crianças. Agreguei os adultos e passei a falar com a família toda”, diz.

Transição fashion
Em quase 30 anos de mudanças diante dos olhos do público, é claro que seu guarda-roupa também não passaria despercebido. No começo, o figurino lúdico ditava o tom infantil de maneira impensável para uma jovem adulta desfilar para além dos limites dos estúdios da TV. Mas os conjuntinhos coloridos, os chapéus de tecido e o cabelo milimetricamente cacheado eram sucesso absoluto e, inclusive, foram destaque na edição de outubro de 1994, primeira capa de Eliana para MANEQUIM. “Depois, com os programas voltados para a família, comecei a inserir o meu visual próprio. Atualmente, ele tem total coerência com o que visto fora dos palcos. Me sinto à vontade e bonita sendo eu mesma”, explica.

Maturidade com estilo 
Tal transição é fruto, segundo Eliana, de uma adequação natural ao amadurecimento. “Eu gosto de estar em sintonia com o meu estado de espírito e de acordo com a minha idade. Anos atrás eu amava minissaia, uma peça que não combina mais comigo”, conta ela, que é fã de vestido longo, macacão e saia-lápis. E conforto tornou-se uma regra. “Uma roupa não pode limitar meu comportamento, como me impedir de agachar para pegar meu filho (Arthur, 5 anos).” No palco, ela também não passa aperto. “Fico mais de quatro horas em pé. Se o sapato machuca, tiro. A gente não faz isso o tempo todo, até em festas?”, justifica.

Supermulher
Durante a carreira, Eliana lançou centenas de itens com seu nome – brinquedos, depois acessórios, perfumes... A veia empreendedora falou alto e, hoje, ela se divide entre a rotina de Arthur (as manhãs são todas dele!) e de seus empreendimentos: um portal feminino e uma editora de livros que publicou, inclusive, a biografia de Elis Regina. “Adoro arte, música e livros. E o site é uma ponte com as mulheres. Quero ter a oportunidade de empoderá-las e falar com elas além da TV. Seja inspirando pela moda, seja pela atitude”, finaliza.

Estilo próprio
1- “Amo saia-lápis! Valoriza a silhueta feminina, traz elegância instantânea e é atemporal. Tenho várias.” 

2- “Apesar de eu não ser alta e estar sempre de salto no palco, sou fã de rasteirinhas a qualquer hora. Tanto que uso até em gravações externas.” 

3- “Não dispenso bons acessórios em ocasiões especiais. Um par de brincos tem o poder de transformar o look.” 

4-“Não tenho regras quanto a cores e estampas. O que vai ditar a escolha é o meu estado de espírito.”

16/02/2017 - 09:49

Conecte-se

Revista Manequim